Pular para o conteúdo principal

Ação Renovatória de Locação Comercial: Assegurando a Continuidade do Negócio

Ação Renovatória de Locação Comercial: Requisitos e Procedimentos


A ação renovatória de locação comercial é uma ferramenta jurídica essencial para assegurar a continuidade da locação e proteger o ponto comercial, conforme estabelecido nos artigos 51 e seguintes da Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245/1991). No entanto, para garantir seu êxito, é crucial observar os requisitos e procedimentos estipulados pela legislação.


Requisitos da Ação Renovatória

De acordo com o artigo 51 da Lei do Inquilinato, o locatário terá direito à renovação do contrato de locação comercial por igual prazo, desde que cumpra os seguintes requisitos:


  • O contrato a ser renovado deve ter sido celebrado por escrito e com prazo determinado (Art. 51, I);
  • O prazo mínimo do contrato a ser renovado ou a soma dos prazos ininterruptos dos contratos escritos deve ser de cinco anos (Art. 51, II);
  • O locatário deve estar explorando seu comércio, no mesmo ramo, pelo prazo mínimo e ininterrupto de três anos (Art. 51, III).


Conforme o artigo 71 da Lei do Inquilinato, a petição inicial da ação renovatória deve conter os seguintes elementos:


  • Prova do preenchimento dos requisitos dos incisos I, II e III do art. 51;
  • Prova do exato cumprimento do contrato em curso;
  • Prova da quitação dos impostos e taxas incidentes sobre o imóvel;
  • Indicação clara e precisa das condições oferecidas para a renovação da locação;
  • Indicação do fiador quando houver no contrato a renovar, comprovando a atual idoneidade financeira;
  • Prova de que o fiador aceita os encargos da fiança, autorizado por seu cônjuge, se casado for;
  • Prova, quando aplicável, de ser cessionário ou sucessor, em virtude de título oponível ao proprietário.


Arbitragem Judicial do Valor do Aluguel

Cumpridos os requisitos legais para a renovação compulsória da locação comercial, se não houver concordância entre as partes em relação ao valor do aluguel a ser renovado, o juiz arbitrará o valor do aluguel com base na conclusão pericial. Esta avaliação visa determinar o valor de mercado para o aluguel do imóvel, garantindo assim uma decisão justa e equilibrada.


Consequências do Vencimento do Prazo Contratual

O vencimento do prazo contratual dá ao locador o direito de pedir a devolução do imóvel e obtê-lo pelo simples fato do prazo do contrato haver vencido. Para o empresário, ser desalojado do ponto comercial após agregar-lhe valor com seu trabalho pode ser devastador. Isso reforça a importância de assegurar uma renovação automática ou de tomar medidas adequadas para a renovação do contrato dentro do prazo.

Art. 56. Nos demais casos de locação não residencial, o contrato por prazo determinado cessa, de pleno direito, findo o prazo estipulado, independentemente de notificação ou aviso.


Renovação Automática no Contrato de Locação

A renovação automática do contrato de locação não residencial depende de uma cláusula específica no contrato. Sem esta cláusula, ao término do prazo contratual, se o inquilino permanecer no imóvel por mais de 30 (trinta) dias sem oposição do locador, a locação será prorrogada por prazo indeterminado, conforme previsão legal nos artigos 56, parágrafo único, e 57 da Lei nº 8.245/91.

É importante destacar que a prorrogação por prazo indeterminado pode ser arriscada para o inquilino, pois ele não terá assegurada a proteção de seu ponto comercial e investimento. Portanto, recomendo veementemente a inclusão de uma cláusula de renovação automática no contrato de locação para garantir a estabilidade e continuidade do negócio.


Importância de Guardar Comprovantes de Pagamento

Conforme disposto no artigo 320 do Código Civil, a prova do pagamento se faz pelo recibo de quitação. No entanto, o pagamento pode ser comprovado por outros documentos que indiquem séria e concludentemente a satisfação do débito, tais como comprovantes de depósito bancário, comprovante de consignação judicial ou extrajudicial, comprovante de saque do mesmo valor em espécie, cópia de cheque nominal, entre outros.

Art. 320. A quitação, que sempre poderá ser dada por instrumento particular, designará o valor e a espécie da dívida quitada, o nome do devedor, ou quem por este pagou, o tempo e o lugar do pagamento, com a assinatura do credor, ou do seu representante.

Parágrafo único. Ainda sem os requisitos estabelecidos neste artigo valerá a quitação, se de seus termos ou das circunstâncias resultar haver sido paga a dívida.


Assim, é de extrema importância que os inquilinos guardem todos os comprovantes de pagamento, incluindo recibos, PIX, DOC, TED ou depósitos em conta, referentes aos aluguéis e ao IPTU. Esses documentos são essenciais para comprovar a quitação das obrigações e evitar possíveis problemas jurídicos.


Conclusão

A ação renovatória de locação comercial representa um instrumento jurídico eficaz para garantir a estabilidade e a continuidade dos negócios. Ao seguir os requisitos e procedimentos estabelecidos pela legislação, os locatários podem proteger seus interesses e preservar o valor de seus empreendimentos. É fundamental que tanto locadores quanto locatários estejam cientes de seus direitos e obrigações, buscando sempre a orientação jurídica adequada para evitar conflitos e prejuízos. Assim, a utilização adequada da ação renovatória contribui para um ambiente de negócios mais seguro e justo para ambas as partes envolvidas na locação comercial.

© 2024 Dr. E. Todos os direitos reservados.

Postagens mais visitadas deste blog

Franquia irregular ou falsa franquia?

 O sistema de franquias  é regulamentado pela Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 e o setor possui  uma entidade representativa: a Associação Brasileira de Franquias , que além de trazer em seu site um guia de franquias e diversos artigos relacionados ao setor de franchising, também ministra cursos e presta serviços aos seus associados. O não cumprimento das exigências da Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 faz com que as empresas que desejam franquear seus modelos de negócios, marcas, produtos ou serviços criem uma verdadeira arapuca, onde os prejudicados podem ser tanto o franqueador quanto o franqueado ou ainda ambos. Aproveitando-se do sistema de franquias, tem sido criados diversos "esquemas de negócios" visando lesar diretamente os investidores incautos utilizando-se de estrutura semelhante aos esquemas pirâmides e que podem ser considerados como uma falsa franquia, alguns dos esquemas são inspirados ou utilizam de características dos esquemas de fraude Ponzi e

Assinatura Eletrônica no Portal GOV.BR: Passo a Passo Descomplicado

A assinatura eletrônica pelo Portal GOV.BR tornou-se uma ferramenta indispensável para agilizar e simplificar processos documentais. Seja você um empreendedor, advogado ou cidadão comum, a seguir, apresentamos um passo a passo simplificado para que você possa aproveitar ao máximo essa funcionalidade. O que é a Assinatura Eletrônica e sua Validade Legal? A assinatura eletrônica, realizada de maneira segura por meio da sua conta gov.br , é legalmente reconhecida como válida para assinar documentos digitalmente. Documentos assinados eletronicamente possuem a mesma força jurídica que os documentos físicos, conforme estabelecido pelo Decreto nº 10.543/2020  e pela Lei 14.620/2023 , que afirmou que o contrato eletrônico não demanda exclusivamente assinatura por certificado digital e dispensando a assinatura de testemunhas. Dessa forma, são aceitáveis quaisquer formas de assinatura eletrônica previstas na legislação vigente. Quem Pode Utilizar o Serviço? Para utilizar esse serviço, é necessá

Desafios Tecnológicos para Advogados: A Necessidade de Hubs USB

A evolução tecnológica trouxe inúmeros benefícios para o cotidiano dos advogados, permitindo maior mobilidade e eficiência no exercício de suas atividades. No entanto, junto com essas inovações, surge um desafio comum a muitos profissionais: a escassez de portas USB nos computadores, sejam eles notebooks ou desktops. Advogados, assim como diversos outros usuários de computadores, encontram-se diante da necessidade de conectar vários periféricos essenciais para suas operações diárias. Teclado, mouse, impressora, scanner, certificado digital, HD externo e dispositivos móveis como smartphones e pendrives são elementos fundamentais, cada um exigindo sua própria porta USB. Aqui entra a problemática: enquanto as demandas por conectividade aumentam, a quantidade de portas nos computadores, principalmente nos dispositivos portáteis, permanece limitada. Por exemplo, um notebook pode ter apenas duas entradas USB, enquanto um desktop, no máximo, quatro. A solução encontrada por muitos profissiona