Pular para o conteúdo principal

Prorrogação ou Renovação Automática de Contratos de Locação Comercial?

Renovação e Prorrogação de Contratos de Locação Comercial

No âmbito dos contratos de locação comercial, é comum encontrar uma série de equívocos e mal-entendidos. Um dos mais recorrentes é a crença de que a renovação do contrato ocorre automaticamente ao término do prazo acordado. Este artigo busca esclarecer essa falsa ideia e proporcionar uma visão clara sobre o que realmente ocorre segundo a legislação vigente.


Legislação Pertinente

De acordo com a Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245/1991), que regula as locações de imóveis urbanos no Brasil, a renovação do contrato de locação comercial não é automática, a menos que haja uma cláusula expressa no contrato prevendo tal renovação. Embora o artigo 51 da referida lei trate da renovação compulsória, esta não deve ser confundida com a prorrogação do contrato de locação pelo término do prazo contratado. A renovação compulsória, obtida mediante sentença em ação renovatória de locação, é um remédio para assegurar a continuidade da locação e proteger o ponto comercial. No entanto, existem requisitos específicos que devem ser observados.


Cláusula de Renovação Automática

Para que haja a renovação automática do contrato de locação comercial, deve existir uma cláusula específica no contrato original que estipule essa condição. Sem essa cláusula, ao final do prazo de vigência do contrato, a locação se extingue, salvo se houver um novo acordo entre as partes. É fundamental que locador e locatário estejam atentos à necessidade de renegociar ou renovar o contrato com antecedência para evitar conflitos e a desocupação do imóvel.


Prorrogação Legal e Implicações Práticas

Na ausência de uma cláusula de renovação automática, mas com a continuação da posse do imóvel pelo locatário e a aceitação do pagamento do aluguel pelo locador após o término do contrato, ocorre a chamada prorrogação legal. Esta prorrogação transforma o contrato de prazo determinado em indeterminado, permitindo a rescisão por qualquer das partes mediante aviso prévio de 30 dias:

Art. 56. Nos demais casos de locação não residencial, o contrato por prazo determinado cessa, de pleno direito, findo o prazo estipulado, independentemente de notificação ou aviso.

Parágrafo único. Findo o prazo estipulado, se o locatário permanecer no imóvel por mais de trinta dias sem oposição do locador, presumir - se - á prorrogada a locação nas condições ajustadas, mas sem prazo determinado.


Renovação Compulsória

É importante mencionar brevemente a renovação compulsória, que é um direito previsto na Lei do Inquilinato para locatários comerciais que atendem a determinados requisitos específicos, como mencionado anteriormente. A renovação compulsória garante ao locatário o direito de manter o contrato nas mesmas condições por mais um período, desde que cumpridos os requisitos legais. Esse tema será abordado em detalhes em um artigo específico futuro.


Conclusão

É essencial que tanto locadores quanto locatários tenham clareza sobre os termos do contrato de locação comercial e as implicações da ausência de uma cláusula de renovação automática. A crença equivocada de que o contrato será renovado automaticamente pode levar a conflitos e prejuízos significativos para ambas as partes. Portanto, é sempre recomendável buscar a orientação jurídica adequada para garantir que todos os aspectos do contrato estejam claramente definidos e em conformidade com a legislação vigente.

© 2024 Dr. E. Todos os direitos reservados.

Postagens mais visitadas deste blog

Franquia irregular ou falsa franquia?

 O sistema de franquias  é regulamentado pela Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 e o setor possui  uma entidade representativa: a Associação Brasileira de Franquias , que além de trazer em seu site um guia de franquias e diversos artigos relacionados ao setor de franchising, também ministra cursos e presta serviços aos seus associados. O não cumprimento das exigências da Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 faz com que as empresas que desejam franquear seus modelos de negócios, marcas, produtos ou serviços criem uma verdadeira arapuca, onde os prejudicados podem ser tanto o franqueador quanto o franqueado ou ainda ambos. Aproveitando-se do sistema de franquias, tem sido criados diversos "esquemas de negócios" visando lesar diretamente os investidores incautos utilizando-se de estrutura semelhante aos esquemas pirâmides e que podem ser considerados como uma falsa franquia, alguns dos esquemas são inspirados ou utilizam de características dos esquemas de fraude Ponzi e

Assinatura Eletrônica no Portal GOV.BR: Passo a Passo Descomplicado

A assinatura eletrônica pelo Portal GOV.BR tornou-se uma ferramenta indispensável para agilizar e simplificar processos documentais. Seja você um empreendedor, advogado ou cidadão comum, a seguir, apresentamos um passo a passo simplificado para que você possa aproveitar ao máximo essa funcionalidade. O que é a Assinatura Eletrônica e sua Validade Legal? A assinatura eletrônica, realizada de maneira segura por meio da sua conta gov.br , é legalmente reconhecida como válida para assinar documentos digitalmente. Documentos assinados eletronicamente possuem a mesma força jurídica que os documentos físicos, conforme estabelecido pelo Decreto nº 10.543/2020  e pela Lei 14.620/2023 , que afirmou que o contrato eletrônico não demanda exclusivamente assinatura por certificado digital e dispensando a assinatura de testemunhas. Dessa forma, são aceitáveis quaisquer formas de assinatura eletrônica previstas na legislação vigente. Quem Pode Utilizar o Serviço? Para utilizar esse serviço, é necessá

Desafios Tecnológicos para Advogados: A Necessidade de Hubs USB

A evolução tecnológica trouxe inúmeros benefícios para o cotidiano dos advogados, permitindo maior mobilidade e eficiência no exercício de suas atividades. No entanto, junto com essas inovações, surge um desafio comum a muitos profissionais: a escassez de portas USB nos computadores, sejam eles notebooks ou desktops. Advogados, assim como diversos outros usuários de computadores, encontram-se diante da necessidade de conectar vários periféricos essenciais para suas operações diárias. Teclado, mouse, impressora, scanner, certificado digital, HD externo e dispositivos móveis como smartphones e pendrives são elementos fundamentais, cada um exigindo sua própria porta USB. Aqui entra a problemática: enquanto as demandas por conectividade aumentam, a quantidade de portas nos computadores, principalmente nos dispositivos portáteis, permanece limitada. Por exemplo, um notebook pode ter apenas duas entradas USB, enquanto um desktop, no máximo, quatro. A solução encontrada por muitos profissiona