Pular para o conteúdo principal

Como instalar drivers para o eToken Aladdin Pro 72k no Ubuntu Linux (32-Bits)

Para utilizar seu eToken Aladdin Pro 72k no Ubuntu Linux (32-Bits), siga este guia passo a passo:

1. Instalar as Dependências:

      $ sudo apt-get install pcscd libccid libhal1 opensc


2. Instalar o Programa do eToken:

      $ sudo dpkg -i SafenetAuthenticationClient-8.1.0-4_i386.deb


3. Baixar as Cadeias de Certificados Digitais:

Baixe as cadeias de certificados digitais necessárias a partir do seguinte link: Certisign - Hierarquias ICP-Brasil

Lembre-se de que, infelizmente, o Safenet Authentication Client não é um software livre.


Observação: Verifique se é necessário comentar a linha 43 do arquivo /etc/init.d/pcscd conforme indicado na página de origem da dica.

"Because ‘/etc/ld.so.conf.d/wwwwetoken-ld.conf’ was empty the PKIMonitor program in the Ubuntu startup applications did not start at boot. I needed to add ‘/usr/lib/eToken’ to it.
The new startup method for pcscd did not work for me. It is described on this page of the author. I commented out the exit 0 in ‘/etc/init.d/pcscd’ on line 43."


Agora é só testar o seu certificado:

Imagem da Autenticação do Certificado Digital no Ubuntu 12.04.


Fonte: Vleeuwen - Web Archive

Postagens mais visitadas deste blog

Franquia irregular ou falsa franquia?

 O sistema de franquias  é regulamentado pela Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 e o setor possui  uma entidade representativa: a Associação Brasileira de Franquias , que além de trazer em seu site um guia de franquias e diversos artigos relacionados ao setor de franchising, também ministra cursos e presta serviços aos seus associados. O não cumprimento das exigências da Lei nº 8.955 de 15 de Dezembro de 1994 faz com que as empresas que desejam franquear seus modelos de negócios, marcas, produtos ou serviços criem uma verdadeira arapuca, onde os prejudicados podem ser tanto o franqueador quanto o franqueado ou ainda ambos. Aproveitando-se do sistema de franquias, tem sido criados diversos "esquemas de negócios" visando lesar diretamente os investidores incautos utilizando-se de estrutura semelhante aos esquemas pirâmides e que podem ser considerados como uma falsa franquia, alguns dos esquemas são inspirados ou utilizam de características dos esquemas de fraude Ponzi e

Assinatura Eletrônica no Portal GOV.BR: Passo a Passo Descomplicado

A assinatura eletrônica pelo Portal GOV.BR tornou-se uma ferramenta indispensável para agilizar e simplificar processos documentais. Seja você um empreendedor, advogado ou cidadão comum, a seguir, apresentamos um passo a passo simplificado para que você possa aproveitar ao máximo essa funcionalidade. O que é a Assinatura Eletrônica e sua Validade Legal? A assinatura eletrônica, realizada de maneira segura por meio da sua conta gov.br , é legalmente reconhecida como válida para assinar documentos digitalmente. Documentos assinados eletronicamente possuem a mesma força jurídica que os documentos físicos, conforme estabelecido pelo Decreto nº 10.543/2020  e pela Lei 14.620/2023 , que afirmou que o contrato eletrônico não demanda exclusivamente assinatura por certificado digital e dispensando a assinatura de testemunhas. Dessa forma, são aceitáveis quaisquer formas de assinatura eletrônica previstas na legislação vigente. Quem Pode Utilizar o Serviço? Para utilizar esse serviço, é necessá

Desafios Tecnológicos para Advogados: A Necessidade de Hubs USB

A evolução tecnológica trouxe inúmeros benefícios para o cotidiano dos advogados, permitindo maior mobilidade e eficiência no exercício de suas atividades. No entanto, junto com essas inovações, surge um desafio comum a muitos profissionais: a escassez de portas USB nos computadores, sejam eles notebooks ou desktops. Advogados, assim como diversos outros usuários de computadores, encontram-se diante da necessidade de conectar vários periféricos essenciais para suas operações diárias. Teclado, mouse, impressora, scanner, certificado digital, HD externo e dispositivos móveis como smartphones e pendrives são elementos fundamentais, cada um exigindo sua própria porta USB. Aqui entra a problemática: enquanto as demandas por conectividade aumentam, a quantidade de portas nos computadores, principalmente nos dispositivos portáteis, permanece limitada. Por exemplo, um notebook pode ter apenas duas entradas USB, enquanto um desktop, no máximo, quatro. A solução encontrada por muitos profissiona